Histórico


Outros sites
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis


 
APRENDENDO COM A MATEMÁTICA




Escrito por 2012pedagogia às 22h12
[] [envie esta mensagem] [ ]



 



Escrito por 2012pedagogia às 22h03
[] [envie esta mensagem] [ ]



A Matemática no cotidiano

 

A atividade proposta foi realizada com alunos entre 5 e 6 anos da Educação Infantil, com objetivo de trabalhar conceitos matemáticos condizentes com a realidade dos educandos.

As crianças estão sempre “antenadas” com o meio cultural, o cinema e a lanchonete foram abordadas na atividade proposta de modo a tornar a aprendizagem significativa, valorizando a cultura.

Na presente escola, as crianças constroem o conhecimento por meio da reflexão, da experimentação e da vivência. Debatem, interagem, trocam ideias sobre diferentes assuntos do cotidiano.

O trabalho com gráficos na Educação Infantil permite à criança organizar melhor as informações, proporcionando condições na aquisição de uma nova linguagem matemática, ela estabelece relações comparativas, observando quantidades de diferentes informações.

O sistema monetário é introduzido por meio de brincadeiras, como montar um mini mercado na sala de aula e brincar de cinema. Os passeios ao supermercado ou uma feira também são válidos para o processo ensino-aprendizagem. O tema é de bastante interesse por fazer parte da realidade das crianças.

O objetivo da atividade é a participação e a interação dos alunos diante das noções matemáticas trabalhadas por meio da entrevista e de uma atividade imaginativa no cinema, envolvendo a construção de gráficos e uma introdução simples do sistema monetário, abordando a adição, subtração e divisão.

Os alunos se entusiasmam com a entrevista proposta e saem para coletar as informações. Logo retornam à classe e em roda discutimos os resultados da votação dos filmes em cartaz. Em seguida é simulada uma ida ao cinema e as crianças assimilam o valor do ingresso com as quantidades nas notas. Tendo respectivas notas, as crianças também podem escolher produtos na lanchonete do cinema.

A atividade foi de fácil compreensão e muito motivadora entre a turma. É extremamente importante lembrar a intervenção e mediação do professor no processo de ensino-aprendizagem.



Escrito por 2012pedagogia às 21h39
[] [envie esta mensagem] [ ]





Escrito por 2012pedagogia às 21h22
[] [envie esta mensagem] [ ]



 

O cálculo mental e a construção do conceito de número

            No Dicionário Enciclopédico Luso- brasileiro VI, define-se cálculo mental como uma operação aritmética, feita de memória, sem auxílio de sinais escritos.

Macintosh e Reys e Reys (1992) referem que o cálculo mental é um importante aspecto a ser considerado no desenvolvimento de número, sendo um dos aspectos de sentido a capacidade em que o aluno tem de aplicar conhecimentos e a sua destreza com números e operações em situações de cálculo.

A construção do número implica fundamentalmente nas experiências de relações que os alunos realizam dentro e fora do âmbito escolar. A criança utiliza a Matemática desde um ano de idade e vai crescendo usando-a de maneira informal. É possível exemplificar quando a criança mostra com gesto a sua idade, usando os números do telefone, contando brinquedos e até comprando produtos no comércio.

MacIntosh apresenta, em 1992, uma caracterização do sentido de número por Brocardo et. Al. 2005, Reys & Yang, 1998 e Abrantes et. Al., 1999, onde diferenciam três áreas em que o número desempenha papel importante, nos conceitos numéricos, nas operações com números e aplicação das operações com números. O modelo descrito (abaixo) é considerado não acabado e mostra as interligações entre as várias componentes. Em suas visões, acredita que as ligações sugerem um processo de monitorização que liga o sentido de número a metacognição. Uma pessoa com bom sentido de número faz reflexões sobre os números, operações e resultados.

McIntosh et. al. (1992):

“Uma criança possui o sentido do número quando: (1) compreende os significados do número; (2) desenvolveu múltiplas relações entre os números; (3) reconhece a grandeza relativa dos números; (4) conhecer o efeito relativo de operar com números; (5) desenvolve padrões de medida de objetos comuns e de situações no seu meio ambiente.”



Escrito por 2012pedagogia às 20h47
[] [envie esta mensagem] [ ]



A aprendizagem e a percepção matemática no processo inicial do conceito de número

           

            A criança constrói os conceitos por meio da experiência com objetos e da interação social, sendo um processo enriquecedor e fundamental na aprendizagem a manipulação de diversos materiais de contagem e do cotidiano e discussões que antecedam a realização de atividades matemáticas.

            Existe uma diversidade de estratégias de que o professor pode utilizar na prática pedagógica no processo inicial do conceito de número. A intervenção e a ação do professor são de grande importância no processo da aprendizagem, considerando a seleção adequada do material mais apropriado às significações com atividades que promovam uma abstração gradativa. É fundamental que as atividades propostas às crianças respeitem e valorizem sua realidade, onde a ludicidade é parte integrante na aprendizagem dos conceitos matemáticos, propiciando à criança interagir, vivenciar, conhecer e explorar jogos que promovam e estimulem a habilidade mental e o desenvolvimento da aprendizagem de maneira prazerosa, motivadora e significativa.

            A contagem é uma das primeiras formas em que a criança entra em contato com o sentido de número, que acontece espontaneamente em vivências do cotidiano infantil.

            As oportunidades do cotidiano possibilitam o desenvolvimento da habilidade das crianças expressarem por meio da oralidade a sequência correta dos números, sendo o período de aquisição entre crianças de 2 à 7 anos, considerando a variação dentre as diferentes faixas etárias e sua realidade sociocultural. No cotidiano, a criança que lida com situações que envolvam ordenação, seriação e classificação já está construindo o conceito de número.

            O professor deve organizar experiências que privilegiem a construção de diferentes conceitos matemáticos, por meio de atividades lúdicas, como brincadeiras e jogos. As experiências levarão à construção dos conceitos de tempo, espaço, limites, distância, entre outros. Para ajudar a construir o conceito de número, o professor deve propiciar experiências em diferentes graus de complexidade, cuja construção do conceito envolve tempo e várias graduações, como números naturais, racionais, negativos, reais, complexos.

            Inicialmente, devem ser vivenciadas atividades concretas, como por exemplo, o uso de bolas, palitos, tampinhas, entre outras possibilidades, deve estar à disposição dos alunos para manipulação, onde gradativamente, o aluno compreenda as abstrações.

            O professor deve estar se atualizando constantemente diante das transformações da sociedade, buscando estratégias inovadoras e condizentes com a realidade do aluno.



Escrito por 2012pedagogia às 20h49
[] [envie esta mensagem] [ ]






Escrito por 2012pedagogia às 20h48
[] [envie esta mensagem] [ ]



 

Bibliografia:

http://www.educ.fc.ul.pt/docentes/opombo/seminario/abaco/index.htm

http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%81baco

http://www.mat.ufam.edu.br/dm/abacocomputador.pdf




Escrito por 2012pedagogia às 20h47
[] [envie esta mensagem] [ ]



Atividades de livros didáticos que utilizam o ábaco como recurso para compreensão das casas decimais.



Escrito por 2012pedagogia às 20h46
[] [envie esta mensagem] [ ]



Atividade com o ábaco

 

A atividade foi proposta para uma aluna do 3º ano do Ensino Fundamental de uma instituição privada.

 

Marina tem 8 anos e realizou a atividade com muita facilidade, coerência e agilidade.

“Com o ábaco é mais fácil aprender os números, porque a gente consegue entender que os números tem seu lugar certo na casa da unidade, da dezena, da centena, da unidade de milhar e da dezena de milhar. É bem legal aprender com o ábaco, você só precisa aprender a decompor os números. ‘Tipo assim’, 1 dezena é igual a 10 unidades, 1 centena é igual a 10 dezenas. Viu, é fácil!”

 

Marina aprendeu a utilizar o ábaco este ano no ambiente escolar e se mostrou muito à vontade em conhecer e explorar o material, favorecendo o processo de aprendizagem e a compreensão do sistema numérico.

 



Escrito por 2012pedagogia às 20h46
[] [envie esta mensagem] [ ]



Desafios com o ábaco:

 

1ª Coloque oito dezenas, subtraia duas dezenas, divida em dois. Qual é o número final?

 

2ª Coloque três dezenas, divida em cinco partes. Quantas unidades ficaram em cada parte?

 

3ª Coloque uma centena, converta-a em dezenas.

 

4ª Coloque duas dezenas, tire dezessete unidades. Quanto ficará?

 

5ª Coloque duas centenas, adicione 5 dezenas e 7 unidades. Qual é o resultado?

 

A atividade é sugestiva para crianças de 8 ou 9 anos que já tenham conhecimento da utilização do ábaco e noções básicas de divisão, subtração e adição. As atividades devem ser dinâmicas e lúdicas, podendo ser adaptadas de acordo com a necessidade da turma. Propiciar desafios envolvendo quantidade de objetos ou situações problemas é uma estratégia de reflexão e construção do conhecimento de maneira significativa e motivadora.



Escrito por 2012pedagogia às 19h38
[] [envie esta mensagem] [ ]




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


 



Quem Somos?
Somos um grupo que reúne estudantes de pedagogia da Faculdade Anhanguera de Jundiaí. Integrantes: Adriana, Anna Paula, Daiane M., Daiane V., Natália e Virginia.
Este espaço é destinado a professores e alunos e apresentará diversas possibilidades de ensinar e aprender matemática, compartilhando conhecimentos e possibilitando a reflexão na prática pedagógica.